Seguir por Email

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Chanuká e seus primórdios na Arca de Noé?



Noah's Ark












Após o relato do dilúvio, a Tora nos conta sobre os descendentes de Noé, os povos que originaram e seu paradeiro.
Ao se referir a seus netos por parte do filho Yefet, a Torah não os relaciona apenas a “países” específicos, mas também a ilhas.  

Quem seriam esses netos de Noé, “habitantes de ilhas” ?

A Torah cita o nome de vários deles, porem no momento, o nome de um é que nos interessa: Yavan!
Quem é Yavan ?
Vou dar uma dica: A letra “Y” do idioma Hebraico é transliterada como Jota para o português. Desta forma, o nome deste neto ficaria Javan, que em português é conhecido como Jônia, uma das regiões da antiga Grécia!

Então meu amigo; de acordo com a tradição judaica, a origem da Grécia está ligada a Yavan, neto de Noé. Interessante, não acha?

Será que através do relato bíblico podemos descobrir mais relações entre Yavan e a cultura grega, alem do fato de viverem em ilhas?

A Torah relata um episódio no qual um dos três filhos de Noé, chamado Ham, ao vê-lo embriagado o desrespeita e humilha. Em pouco tempo seus dois irmãos Shem e Yefet, (pai de Yavan), o confrontam, acudindo Noé e cobrindo sua nudez.
Após acordar de sua bebedeira, Noé critica seu filho Ham e abençoa seu filho Shem e sua descendência – Os Shemitas, ou Semitas – para que sejam sempre portadores da presença Divina. 
Noé abençoa também a Yefet, pai de Yavan e seus descendentes, mas desta vez com expansão territorial e beleza.

Percebemos nestas bençãos atributos que continuaram vinculados aos gregos e aos judeus, (semitas), por muito tempo:
Beleza e a força física de um lado e do outro a espiritualidade.

Choque ou Harmonia?

Milênios depois da benção de Noé, no período em que ocorreu a história de Hanucá, testemunhamos o violento choque entre a cultura Grega materialista* e a cultura judaica espiritual.
O final da história conhecemos: Os Macabeus, representando os Judeus, venceram os helenistas e os expulsaram de sua terra.

Mas estes atributos, matéria e espírito são necessariamente opostos? Devemos estar em permanente guerra com nossos irmãos da linhagem de Yefet?

A resposta veio poucos séculos antes dos acontecimentos de Chanuká... A cavalo:
Ciro, o imperador da Pérsia, também descendente de Yefet por parte de seu filho Madai, (portanto também portador das bênçãos de beleza e poder), exortou e patrocinou o retorno dos judeus a sua terra, para que reconstruíssem seu país e seu templo sagrado, encerrando assim o período do exílio babilônico.

Vemos naqueles tempos, portanto, a concretização de uma harmônica parceria entre Poder, Beleza e  espiritualidade. 


Conclusão: quando usados de forma equilibrada e sadia, a Beleza e o Poder iluminam o mundo agregando valor ao serviço Divino. Quando desvirtuados e exagerados, com no atual culto exacerbado a moda e a forma física, esses atributos trazem somente falta de referências, escuridão espiritual e desilusão!

Que Tenhamos o grande mérito de vivenciarmos em nossos dias a instauração da bela fortaleza da Paz e da Verdadeira espiritualidade, juntamente com todos os nossos irmãos, filhos dos filhos de Noé!


Que a Luz de Chanuká traga sabedoria, fé e felicidade ao todos!

Um grande abraço !More Ventura!


*Quando me refiro a cultura grega como simplesmente materialista, estou me referindo apenas àquela diluída na Asia Menor no período de Chanuká.

Gostou ? Comente e curta nos tags abaixo! Abração!

Um comentário:

Rodolfo Penteado disse...

O velho conflito de santificar a beleza ou embelezar a santidade.

Materialismo, ou algo perto disso, conectado a nossas necessidades mais carnais, é a melhor explicação do que é o yetser harah, ficando o yetser hatov com a parte espiritual. Isso fica mais complexo do que o simplismo maniqueísta de "bem e mal" e explica melhor o porque dos Sábios afirmarem que animais têm o yetser harah mas não o yetser hatov, ou ainda o dito que "não fosse o yetser harah ninguém casaria, construiria uma casa ou prepararia um campo".