Seguir por Email

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Haifa - Minas Gerais. Tava escrito nas estrelas!!!



O dia era quente, o céu limpo e as ruas movimentadas. Eu acabara de sair do escritório da agência judaica que se localizava no bairro do Bom Retiro, berço da comunidade judaica de São Paulo.
O que fui fazer ali? Acertar os detalhes finais para minha ida a Israel, Haifa, onde cursaria o colegial em Yemin Orde, uma espécie de colégio interno onde vivem e estudam jovens judeus do mundo inteiro.
Minha cabeça estava em Israel, meu corpo estava no Bom Retiro e meus olhos procuravam o ônibus que me levaria aos Jardins.
Ótimo! O ônibus chegou. Meus olhos novamente se reuniriam ao meu corpo, mas minha cabeça, mais do que nunca, agora estava cindida entre a America do Sul e a Ásia Menor.
Após encontrar um assento no ônibus, sentei me e pus me a fazer o que considero uma das coisas mais úteis em momentos de confusão, gratidão, e outros sentimentos comuns a nós, seres humanos:
-Meu D’us... Me ajude, por favor! Não sei se devo ir ou ficar. Será que este colégio Yemin Orde é legal ? Será que devo deixar essa idéia mais para a frente? Será que o Saddam Hussein vai jogar um Míssil em minha cabeça?
Enquanto minha mente tentava se libertar do labirinto de “serás”, ouvi uma misteriosa voz que me respondeu:
-Yemin Orde é muito legal...
-Neste momento meus sentidos se aguçaram! Pensei:
-Ainda nem pisei na terra Santa e já estou desfrutando do dom da profecia. Fiz uma pergunta em pensamento e já estou ouvindo a resposta! Será que receberei mais mensagens do Alem?
-Logo as misteriosas mensagens continuaram a chegar:
-Eu estudei La no ano passado e adorei!
-Uuaaau! – Pensei - Nunca imaginei que as profecias viessem em vozes de moças adolescentes...
Olhando para trás percebi que a fonte das “mensagens” era duas meninas que conversavam animadamente sobre aquilo que mais me interessava no momento!
Coincidência? Kkk! Tem que ter muita “desfé” para achar que este tipo de coisa é uma simples coincidência! – Pensei.
-Ok, Entendi meu Pai... Está decidido! Vou para Israel!
Alguns dias depois, eu estava no carro com a minha mãe. Ela estava procurando um mercadinho de comidas japonesas no bairro da Liberdade, quando um estranho pensamento, (em se tratando de um adolescente), me perguntou:
-Com quem você vai se casar?
-Eu gostaria de me casar com uma moça do interior, (de preferência de Jundiai). – Respondi - Por que as meninas da cidade estão muito fúteis, só pensam em aparência, roupas e modas...
-Mas, por outro lado...Eu quero seguir o judaismo e criar os meus filhos na minha religião e para isso eu devo me casar com uma mulher judia e no interior não existem meninas judias...
Enquanto isso em Israel, no topo do Monte Carmel, onde o profeta Elias confrontara e vencera os profetas do Baal. Onde o mesmo Elias declarara aos Israelitas servidores do deus Baal que não poderiam mais se debater de um ideal oposto ao outro, um “profeta menor” dizia a uma filha de Israel:
-Você precisa conhecer o meu amigo Gilberto Ventura! Eu tenho certeza de que vocês vão se dar bem. Vocês combinam muito!
-Menino... Você deve estar louco! Eu nunca vi esse cara na minha vida! (Disse a moça, sem conhecer a citação talmúdica que afirma haver profecia nas palavras dos loucos).
Alguns dias depois eu cheguei à Israel. Era um sonho antigo, (tão antigo quanto permitia a minha curta idade de dezessete anos).
Quando finalmente cheguei ao colégio, (de onde quase fui expulso meses depois), me reuni numa sala ao grupo de estudantes brasileiros. Em pouco tempo ouvi meu nome sendo anunciado em tom de bronca:
-Gilberto?!
-Presente – Respondi surpreso.
-Por favor, pegue a sua mala! Você a esqueceu La fora! – Disse uma gentil filha de Israel com um Familiar Erre carregado.
-Obrigado! Qual é o seu nome ? – Perguntei.
-Jacqueline. – Mal sabia aquela menina quantas malas esquecidas por mim ela ainda teria de carregar, e quantas vezes eu mesmo seria a própria mala, ou, melhor dizendo: O próprio mala!
-Depois de alguns dias, apareceu na janela do meu dormitório uma visita:
-Oi! Você é o Gilberto, não é?
-Sim e você ? – (Ai, ai... Minha memooooooria !!!!!!!)
-Sou a Jacqueline, que trouxe a sua mala, você não se lembra?
-Puxa vida! É verdade. – Disse eu – Muito obrigado, você foi muito gentil comigo.
-Enquanto estavamos nas amenidades, tudo ia bem, mas quando cheguei aos finalmentes...
-De que cidade você é? - Perguntei.
-Muriaé – Respondeu a jovem.
-O que ?! Aonde fica isso ? – Indaguei incrédulo, enquanto me beliscava, para me certificar de que não estava sonhando..
-Interior de Minas Gerais – respondeu a filha do Interior mineiro, enquanto puxava a letra Erre.
-Naquele momento me vieram em mente as “mensagens” que ouvira um mês antes dentro do ônibus no bairro do Bom Retiro. Me lembrei da minha reflexão dentro do carro de minha mãe no bairro da liberdade a respeito de minha futura noiva. E agora, mais do que nunca, a célebre frase do profeta Elias, declarada naquele mesmo monte Carmel onde agora me encontrava, fazia total sentido: Até quando você se debaterá entre dois ideais opostos?
No meu caso, a resposta havia chegado: A contradição chegara ao fim!
Muriaé e Haifa...Numa pessoa só!

Mazal Tov, sô!
Jacque... Te amo e Parabens pelo seu aniversário!!!

13 comentários:

Anônimo disse...

O que eu previa, Moré, você está fazendo.
Documentar sua vivência atemporal, com uma poética humanista dos anos 70.
Você me faz sonhar novamente e recordar a Israel de 1977 (que ía até a Península do Sinai), onde vivi: dei duro num kibutz (Ha On) - sonhei - aprendi - palmilhei e fotografei aquela terra.
Vivi um tempo mágico, impossível de ser verbalizado.
Abração,
Clovis R. S. Filho

Anônimo disse...

Moré, que legal ler a deliciosa história de vocês!!! Hoje eu estou pensando muito sobre a minha alma gêmea que ainda não encontrei, e foi muito inspirador ler isso!! Realmente aquilo que pensamos com pureza de coração e certeza, nos é dado pelo Eterno sem que esperemos muito...rsrs
Beijão e felicidades Eternas pra vocês!
Marion

Rebecca Mendes disse...

Ah que eu fiquei emocionada com a história de amor de vcs, tão puro, tão doce, tão abençoado por D-US.

Shalom !

More Ventura disse...

Obrigado Rebbeca! fico feliz que tenha se emocionado!
A mão de D'us é precisa e bondosa!!!

More Ventura disse...

Marion, muito obrigado, amiga!
Que o Bom D'us te abençoe e ilumine com muita Felicidade, Fé e Sucesso!

More Ventura disse...

Querido Clovis!!! Esta historia de Providêncoa Divina me lembra a forma como nos conhecemos, A Hamsa na calçada e todas as coincidências!
Da uma bela crônica:
Meah Shearim e Sao Paulo!

Marcelo Silva Mendes (מורדכי אליהו בן אברהם) disse...

Mazal Tov, sô!
Adorei!!
Marcelo - Uberaba/MG

More Ventura disse...

Que bom!!! Um Amigo de Uberaba!
Um grande abraço Marcelo e fica na Benção e na Luz de D'us!

Anônimo disse...

Incrível More! Não lembro se foi você que me disse isso, mas acho legal compartilhar. Nesse mundo que vivemos, estamos tão desesperados em achar o "parceiro" que não nos acomodamos com o que o Talmud diz: Antes do nascimento de uma criança, uma Vóz Celestial declara quem será a sua "metade". E por isso, acabamos então casando com pessoas que não amamos, tentando não sair de nossas "bolhas" para procurar nossa "cara metade". ELAS PODEM ESTAR EM QUALQUER LUGAR DO MUNDO! É só se levantar da cadeira e não se conformar em procurar pelo outro lado do mundo!
BJS Nina B.

Luciano Canuto de Oliveira disse...

Mabruk!!!!!
parabéns para Jacqueline!

Anônimo disse...

adorei... e acredito na força das palavras e pensamentos, ao coincidencias.

Anônimo disse...

Uau, então foi assim que vc e a Jacqueline se conheceram??? Mais "louco" que isso só saber que em Muriaé tem um Santa Marcelina e a Jacqueline estudou lá ! abs Peter

Rosane Cohen disse...

Todos temos histórias, não é mesmo? Porém, vc foi afortunado em ouvir seu coração, se atentar às pequeninas coisas ao seu entorno e conseguir juntá-los como quebra-cabeça! Mazal Tov, que vcs tenham anos e anos de alegrias e realizações, BZ"H. Rosane Cohen, Rio de Janeiro.