Seguir por Email

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Judaísmo - "Fofocas" sobre Hanuká!


Uma vez eu li um artigo muito bom, que dizia o seguinte:
Os heróis contemporâneos, em sua maioria, somente continuaram sendo reconhecidos como heróis porque morreram cedo.
Mas o que teria acontecido se eles tivessem “sobrevivido” aos seus atos de heroísmo? O autor da matéria imaginou, por exemplo, que Che Guevara, (um dos maiores símbolos do heroísmo juvenil), se estivesse vivo, talvez estaria barrigudinho, careca, elitizado e envolvido em escândalos e C.P.Is.
Imaginação a parte, quero contar para vocês alguns fatos pouco conhecidos do grande público a respeito da continuação da história de Hanuká, pois a história, diferentemente de seus protagonistas e coadjuvantes, se mantém sempre viva; o que morre é a memória!
Mas... Vamos ressucitá-la!
Os macabeus:
 Antes de sua morte ainda nas batalhas, (139 A.E.C.), Yehudá - Judá o Macabeu, enviou uma delegação a Roma, que se manifestou abertamente a favor dos judeus em sua luta pela autonomia frente aos Gregos/Sírios.
Roma fez isso, porque vinha crescendo como império e se interessava no enfraquecimento das outras potências.
Na segunda geração após a vitória de Hanuká, Yohanan Hurquenus, o filho do macabeu Shimon, assumiu além do sumo-sacerdócio, o reinado de Israel, o que foi mal visto por muitos, pois ele não era um descendente da Casa do rei David e também por que acumulava dois cargos de muito poder.
Este rei conquistou vários territórios ao redor de Israel, de modo a controlar todo o contato terrestre entre a África do Egito e o restante do mundo, o que lhe rendeu impostos e pedágios sobre os bens transportados através de seu país.
Ironicamente, Húrquenus também forçou a conversão ao judaísmo de vários dos povos por ele conquistados, o que lhe rendeu várias críticas por parte dos sábios religiosos.
Depois de sua morte, seu filho Alexandre Yanai se tornou o rei. Alexandre foi conhecido por sua rixa e crueldade contra os Fariseus, (sábios da tradição oral – Mishna). Também era conhecida sua admiração pela cultura grega!
Depois de sua morte, Alexandra Sulamit sua esposa reinou. De acordo com o Talmud, o período de seu governo foi um dos melhores e mais pacíficos que o povo judeu experimentou.
Após o falecimento da rainha, uma luta feroz entre seus dois filhos se instalou, com direito a mutilações e outros “requintes”mais.
Hurquenus e Aristóbulus eram seus nomes – (Amigos, vocês perceberam quantos nomes gregos tinham os “novos Macabeus” ?! ).
Agora vejam que ironia:
Antipater, um descendente de judeus e idumeus convertidos à força pelo rei Yohanan, buscando um espaço no poder real, atraiu poderosos árabes para intermediar a briga, com o intuito de ajudar um dos irmãos a conseguir seu intento.
No final, quem deu as cartas foram os romanos, que escolheram Herodes, filho de Antipater, para ser o novo rei dos judeus.
Herodes, o rei com a graça de Roma, ficou famoso por suas grande obras, como a reforma do Templo, a cidade de Cesaréia e a fortaleza de Massada. Em seu governo houve relativa paz em Israel.
Herodes Também ficou conhecido por sua mania de perseguição e crueldade com que tratava seus desafetos, entre eles alguns de seus filhos e sua esposa Miriam, descendente dos macabeus.
Pouco tempo depois de sua morte, os romanos começaram a governar Israel de modo direto e insensível, o que levou a revoltas por parte dos judeus e à destruição do Templo no ano setenta de nossa era.
Enfim, como podemos ver, a história também continua, as vezes se tornando barrigudinha e carequinha e se envolvendo em escândalos variados.
Entao...O que fazemos nós, simples coadjuvantes ?
C.P.I !
Vamos levar a história ao conselho de ética, para condenarmos suas “quebras de decoro parlamentar”, sem deixarmos, é claro de aprender de seus bons exemplos e verdadeiros heróis!
Feliz Hanuká!

4 comentários:

HaZeev disse...

Muito obrigado pelo compartilhamento do texto, é sempre bom rever certos aspectos.

Anônimo disse...

Parabéns pelo artigo.
Não concordo com a sua abordagem sobre Chanuká (e bem provavelmente nem sobre o Judaísmo).
Porém, defendo o seu direito de pensar e dizer o que pensa.
Segundo a opinião de Ramban (Nachmânides)eles foram mortos de forma violenta porque não coroaram um descendente de Yehudá logo após vencerem a batalha.
Está escrito: "Lo iasur shevet miYehudá" (O cetro não se apartará de Judá - Bereshit 49:10).
Essa foi a benção profética de Yaakov Avinu e não pode ser usurpada.
Um bom livro sobre o assunto é: "Halachos of Chanuká", do Rabino Shimon D. Eider Shlita.
Chag Chanuká Sameach!!!!

More Ventura disse...

Obrigado amigo pela mensagem. Quanto a forma que abordei o tema de Hanuka neste texto, é apenas em relação a fatos historicos posteriores, que sao citados, inclusive na Guemará. Acho muito importante abordarmos o contexto historico dos fatos passados, alem de focarmos o essencial, que sao os ensinamentos espirituais e éticos. Digo isso, porque acredito que falar sobre assuntos de forma descontextualizada faz com que estes mesmos possam ser considerados lendas ou mitos, o que certamente nao é nossa história e nossa religião. Se quiser continuar a conversa, me acesse no face, ou por aqui mesmo, ok?
Um grande abraço e Feliz Hanuká!

Nina disse...

Gostei bastante, vou seguir o teu blog, adoro história...sou guia de turismo...Shalom!