Seguir por Email

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Judaísmo - Sentado com Deus: Na mesa do Bar!



Certo dia eu estava sentado à mesa do bar de um animado espaço judaico, conversando com dois rabinos grandes amigos meus. Conosco estavam sentados alguns jovens, ouvintes curiosos de nossa conversa que reunia passagens Talmúdicas, bíblicas, histórias pessoais e brincadeiras de amigos.
Quem não conhece nossa amizade, porem, pode se assustar ao compartilhar conosco de alguma discussão, pois quando argumentamos a respeito de algum ponto de vista que nos importa, cumprimos, de forma lúdica, o dito talmúdico que diz:
“Estudiosos defendendo seus pontos de vista são veementes como inimigos numa batalha, mas não se apartam dali até que façam as pazes.”
Nossas discussões costumam ser inflamadas, porem depois que as concluímos ficamos somente com as conclusões importantes enquanto rimos e nos divertimos as custas de nossas bravatas, gestos e posturas exaltadas.
Mas... Voltando à mesa do bar:
Enquanto “debatíamos papo”, percebi que na mesa ao lado havia um jovem solitário que nos observava de modo melancólico.
Ver o contraste entre nossa animação e sua solidão me deu pena, então perguntei seu nome, etnia, classe social, interesses, e etc, de modo a incluí-lo em nossa conversa.
Alguns “lances” mais tarde, já me sentindo mais íntimo do jovem, questionei o por quê de sua aparência de desânimo, ao que ele respondeu:
-Estou triste e confuso. Não sei se Deus está feliz com as minhas atitudes.
Amigo leitor, sabe aquelas cenas de televisão nas quais alguém fala algo inesperado e todos os que estão ao seu redor ficam lhe observando como se estivessem congelados?
Pois é! Foi assim que ficou o ambiente:
-Todas as luzes e câmeras ficaram focadas no rapaz. – A vida ao redor havia se reduzido ao seu nível mínimo: respirações, batimentos cardíacos e olhares. Estávamos como que em estado vegetativo.
-Depois de me reanimar, reanimaei os meus  “vegetandos amigos” através de uma desfibriladora palavra, com a qual questionei o rapaz:
-Amigo, você não me parece ter o perfil dos maiores pecadores para estar tão preocupado! Ou.......... Tem?
-Não...
-Então por que está tão preocupado?
-É por que não sei se estou no caminho certo...
-E você está tentando?
-Sim, mas não sei se Deus está feliz comigo! Venho nas aulas, cumpro os preceitos, mas...
-Amigo , você acha que se você fizer alguma coisa errada sem querer, seus pais vão te compreender?
-Sim, é claro!
-E por que você acha que Deus é menos compreensível do que eles?
-Hã?
-Se você expuser a uma psicóloga as suas falhas, você acha que ela vai ser compreensiva, ou vai te condenar?
-Vai ser compreensiva!
-E se for a melhor psicóloga do mundo?
-Vai ser mais compreensiva ainda, pois vai ser mais consciente das minhas limitações e fraquezas.
-E você acha que a compreensão é uma virtude ou uma fraqueza?
-Virtude!
-Então por que você acha que Deus não compreenderia sua busca e suas limitações? Teria Ele menos virtudes do que sua psicóloga?
Amigo leitor, sabe aquelas cenas de televisão nas quais alguém fala algo inesperado e todos os que estão ao seu redor ficam lhe observando como se estivessem congelados?
Pois é! Foi assim que ficou o ambiente:

8 comentários:

Anônimo disse...

exclente artigo

Gisele disse...

Esse sentimento é mto comum mesmo entre as pessoas... Eu mtas vezes tb já me senti assim... O mais importante é saber que D'us é o nosso Pai e assim como entendemos, perdoamos e ajudamos nossos filhos, Ele faz exatamente a mesma coisa conosco!!!

Yitzchak Uryel Avraham disse...

More Ventura, aprendo muito com suas sábias palavras, você tem o dom de trazer os ensinamentos, de nossos grandes mestres, para o quotidiano de nossas vidas em linguagem direta, de fácil compreensão para qualquer pessoa! Conhecê-lo pessoalmente, na manifestação contra a crueldade animal, foi um grande privilégio para mim, Baruch HaShem, e espero poder merecer a honra de sua amizade!

rosa_shoshana@hotmail.com disse...

Faço das palavras da Gisele e do Yitzchak as minhas ;BARUCH HASHEM QUE O ETERNO NÃO NOS TRATA SEGUNDO OS NOSSOS MERECIMENTOS

Anônimo disse...

tudo que precisa ler,parabens e obrigada more,cada dia aprendo mais com vc,

Itamar disse...

More. Tudo bem ?
Eu lhe sugiro o livro Limite Zero, de Joe Vitale e Ihaleakala Hew Len. Muito apropriado para essa discussão de bar. Uma abordagem muita clara sobre a importância do PERDÃO, no processo de purificação e libertação individual. Abraços, Itamar.

Elaine de Barros disse...

Diante de tantas ameaças que alguns religiosos fazem, atibutos de sua interpretação da Biblia, não consigo entender o amor divino, a não ser dessa forma como você a relata,
pois se nem um pai que é humano quer a condenação de um filho, quanto mais o nosso Deus que é perfeito pode querer a condenação eterna de seus filhos.

Myrian A. Faber disse...

Como D'us não joga dados, brinda esta geração com oportunidades de correção via entendimento, compreensão proporcionados por Morim como o Ventura. H'Todah Rabah