Seguir por Email

domingo, 29 de janeiro de 2012

Judaísmo - Eu não sou senhor, eu sou Você!!!





-Caro Amigo, qual é o motivo da sua participação, como ativista judeu, no diálogo inter religioso?

-Diferentemente do que muitos imaginam, o motivo de minha participação no diálogo com outras comunidades não somente religiosas, mas também étnicas e sociais não se limita a busca de um convívio pacifico entre as pessoas e as comunidades, objetivo que por si só, já a justificaria.

-Então existe um motivo maior?

-Sim, para mim este diálogo é um dos modos mais eficazes de se revelar e de se lidar com a espiritualidade de forma autêntica e construtiva.

-O senhor pode explicar melhor esta idéia?

-Claro que sim: Eu não sou o senhor, eu sou você!

-Ah, me desculpe chamá-lo assim. É somente uma questão de respeito.

-Amigo você não me entendeu. Não estou reclamando do modo como se refere a mim, eu somente comecei a explicar a visão espiritual por trás do meu envolvimento no diálogo.

-Como assim? O senhor pode me explicar novamente?

-Claro que sim: “Eu não sou o senhor, eu sou você”:

-Puxa vida! Desculpe-me, é a força do costume. A Partir de agora eu vou prestar mais atenção e não vou chamá-lo de senhor.

-Então, como eu estava lhe explicando: “Eu não sou o senhor, eu sou você!”

-Mas... agora eu não chamei você de senhor!

-Amigo...  você ainda não me compreendeu:
-A origem de tudo o que existe no universo é Deus, o Criador, a partir do qual tudo emana.
Isto significa que por trás de toda a maravilhosa diversidade e variedade de elementos e indivíduos existente, há uma unidade inquebrantável, baseada na essência Divina que todos nós compartilhamos.
E foi isso meu amigo, que eu quis dizer com as palavras “Eu não sou o senhor, eu sou você”: A base do 
diálogo inter religioso é desfazer os preconceitos e as impressões erradas que classificam negativamente os indivíduos diferentes de nós, revelando que por trás da diversidade, do “eu”, do “você”e do “ele”, existe a bela e poderosa unidade do “Nós”, noção básica para a construção de uma sociedade verdadeiramente justa e fraterna.

Diálogo inter-religioso, inter-comunitário e inter tudo. Enfim... Diálogo! Apóie esta idéia!
More Ventura.

  



 



Um comentário:

Valdemar W. Setzer disse...

Olá, Gilberto Ventura e leitores,

Gilberto escreveu:

"A base do diálogo inter religioso é desfazer os preconceitos e as impressões erradas que classificam negativamente os indivíduos diferentes de nós"

Esses preconceitos e impressões erradas só serão desfeitos se houver compreensão do que significa cada religião ou corrente espiritualista. Não se deve ser tolerante pelo sentimento, o que já é alguma coisa, mas sim pela razão, pela compreensão, começando pelo conhecimento do que significa ser um ser humano e quais são as bases de cada corrente religiosa, espiritualista ou materialista. Para mais detalhes, ver meu artigo

http://www.ime.usp.br/~vwsetzer/tolerancia.html

Abraços fraternos,
Valdemar W. Setzer