Seguir por Email

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Como quase fui preso por discriminação!


Hoje me aconteceu algo inacreditável!
Ao estacionar meu carro em uma vaga, para que minha esposa com sua perna engessada pudesse descer, uma mulher, dirigindo outro carro parou ao meu lado e disse calmamente enquanto nos olhava:
Seus judeus filhos da P.
Respondi com toda a calma:
-Veja senhora, minha mulher está com a perna engessada e precisa descer aqui.
A mulher, olhando-nos calmamente, repetiu o seu mantra do mal:
Judeus filhos da P.
Não tive duvidas: Voltei à rua e com meu carro a segui, alcançando-a parada em um farol.
Saquei a minha arma verbal e “disparei” varias verdades: A mulher ficou pálida, apavorada e acuada, disse-lhe que no momento dirigia minhas palavras somente a ela, porque estava desacompanhada, porem se fosse necessário, falaria o mesmo e da mesma forma  a seu marido, irmãos e etc. – Não queria passar por aquele tipo de “valentão” que adora se impor sobre mulheres ou pessoas mais frágeis.
Mas meu objetivo maior estava por vir: Chamar a polícia, pois como atuante no campo da liberdade religiosa, não queria deixar um caso como estes passar em branco, gostaria de ver a lei sendo cumprida. E foi!
Às avessas!
Enquanto a polícia chegava a mulher fugiu e em questão de segundos vi uma arma, empunhada por um policial, apontada para mim. Protestei, relatando aos policiais o acontecido e expliquei a eles que fui eu quem os chamei.
Em pouco tempo se juntou um grupo contestando os “homens da lei”: Judeus laicos, ortodoxos, cristãos e colegas de trabalho. Pessoas dizendo a eles que me conheciam e desconhecidos  testemunhando sobre o que realmente aconteceu. Parecia tudo encaminhado, quando um dos dois policiais sacou de seu coldre duas “munições podres”:
-Vocês também matam Palestinos!
-Esta não foi uma questão religiosa!
Logo começaram os protestos e o bate-boca. O policial ficou surpreso e irritado, mas foi só ouvir alguns nomes e contatos, sacados de nosso estoque de munição, que começou a “relaxar” até "decidir" ir embora...
Estou sentado em meu sofá escrevendo, duas horas depois do acontecido.
De certa forma estou satisfeito, (obviamente que à posteriori), pois a agressora sentiu em sua pele como é desagradável ser agredida. Várias pessoas, independente de origem religiosa ou de classe social se posicionaram com coragem perante a postura pedante do policial.
E finalmente, o policial teve que "bater em retirada", após perceber que sua força bruta não é soberana, quando está entre pessoas esclarecidas, corajosas e de fé!

Martin Lutherking dizia: "O que me assusta não é o grito dos maus e sim o silêncio dos bons".
Amigos, façamos sempre parte dos Bons que lutam por justiça e por um mundo melhor!"

Existe tambem um ditado que diz “O preço da liberdade é a eterna vigilância”! - Então: Sejamos vigilantes!

Abraços. More Ventura!

Pai celestial, Mora Marli, Mora Bracha, Rabino Avraham e Mora Jacque, sempre Jacque...Valeu!!! Chazak! Chazak!

Dois dias depois: A sequência dos fatos:
http://moreventura.blogspot.com/2011/12/que-falta-de-respeito-e-reconhecimento.html

24 comentários:

Mihael Cypriano disse...

uau, cuide se aí meu irmao, o mundo é mau, mas H"shem é legal!!!

Anônimo disse...

Que coisa, hein!!!

Mauricio Dimant disse...

SHALOM UVRACHA,
MORE VENTURA, PARABÉNS PELO SEU ATO E RESPOSTA AO ADVERSÁRIO SEM CULTURA... EU FARIA O MESMO NÃO SEI SE A ALTURA

MORÉ MAURICIO

Anônimo disse...

nossa more

ROSELY disse...

Moré Ventura (Giba)

Admirei sua coragem e determinação em não deixar um tipo de situação assim passar em pune!! TODOS deveriam lutar pelo NÃO PRECONCEITO, qualquer que seja ele!!
Difícil aceitar que nos dias de hoje ainda existam pessoas IGNORANTES E MALDOSAS como esta "digna" Cidadã que tem a capacidade de cuspir uma "asneira" como esta....ela deveria passar uma noite toda no xadrez respondendo por CRIME DE RACISMO previsto no Código Penal ao invés de ter fugido...mas o problema é que infelizmente a nossa Polícia também nem sempre é tão eficiente quanto deveria ser!!
Pelo menos sua experiência irá servir de lição para milhões de outras pessoas!!
Parabéns pela coragem e iniciativa em nos dar o exemplo!!

forte abraço Rosely

Ramo de Ouro disse...

Excelente atitude More! Palavras machucam muito mis do que tapas, vc fez justiça num pais tão desigual. Mostrou omo o conhecimento pode ser uma verdadeira munição. Um more nato!

Patricia Vieira disse...

Quanto a mulher que xingou a nossa raça de FDP,apenas um recado:São pessoas como você que conseguem destruir o mundo!Pessoas deste tipo merecem mesmo ser colocadas no seu devido lugar
VIU?SUA PORCA MAL EDUCADA!

Marcelo disse...

Tem testemunhas, tem que abrir um processo por calúnia, injúria e racismo. Se a agressora não acabar presa, vai sentir no bolso, vai saber que sua ignorância vale um bom prejuízo, em mais de um sentido.

Anônimo disse...

Parabéns por sua atitude! Um belo exemplo

LAÉRCIO SANTOS disse...

Você devia processar os policiais e a mulher que fez isso Morê! Totalmente inadimissível...

SamiCyt disse...

So vc msm Ventura! Parabens por combater a intolerancia sem medo. É desse tipo de liderança que nós precisamos!

Aliza Cortellazzi disse...

More querido!!Infelizmente existe ainda muito destas pessoas infelizes!!Por conta de uma midia , na sua grande maioria tb preconceituosa. Tb já sofri discriminação.Mas, sabe??nem notei!!Pq o AMOR é luz que destroi, elimina,a escuridão dos covardes cujo coração é consumido pela inveja, pelo ódio, pelo mau!!!Bjs e melhoras para a sua linda esposa!!!Amo vcs muiiito!!!!!Aliza

Aliza Cortellazzi disse...

Meu querido Moré!!Tb já sofri discriminação, mas se o sr Jayme não tivesse contado pra mim, eu nem notaria, sabe pq?O AMOR é luz infinita que simplesmente transforma em pó, em nada, a escuridão do ódio , da maldade, do preconceito!!
Quem tem HaShem no seu coração, e na sua vida diária, não tem medo de assombração!!!ÊEEEEEEEEE
Bjs e melhora para a sua linda esposa!!Aliza

Anônimo disse...

Vc tem o numero da viatura coisa do tipo,se sim basta ligar para corregedoria da pm que o bicho vai pegar para estes despreparados

Anônimo disse...

Creio que você deveria agora mesmo ir à delegacia do bairro onde ocorreu e abrir um BO, deveria ter pego a placa do veiculo que ela dirigia, daí para frente é só largar o caso nas mãos de algum grande advogado da comunidade, ai sim ela vai aprender direitinho.Paulo Kozlowski

Anônimo disse...

Nossa Moré, que caso.... Nm acredito nessas coisas que acontecem, tao absurdas! E o policial nem se fala... Admiro toda essa sua coragem, eh de se orgulhar de ver que o mundo ainda pode mudar com suas pequenas "lições de morais" e lindas ações! PARABEENS! Nina B.

Anônimo disse...

Parabéns em fazer valer a lei e seus direitos. Um mundo mais justo e educado é necessário para o bem de todos. Sendo também a hipocrisia extirpada da terra teremos um mundo melhor. E isso é responsabilidade humana materializar algo que é da vontade divina. Chalom, berakhot meôd.

Kywal Mesquita

FreJuMan disse...

Prezado Amigo, vc não fez o mais importante, que era ir à delegacia do bairro, com as testemunhas e mandar lavrar um BO por crime hediondo de racismo, se bem que se vc tiver a placa do carro daquela pobre alma, vc ainda pode fazer. Cabe, ainda, uma ação de indenização por danos morais.
Boa Sorte!

Anônimo disse...

nosso pais infelizmente tem que desenvolver mais a tolêrancia e a solidariedade...seja no trasito,nas escolas na família....com os diferentes...tudo por falta de argumento vira discussão...briga,o diferente e o descordante é visto como inimigo..se a pessoa é crente,gordo,deficiente,velho,"feio",pobre,careca ou punk nós descarregamos a metralhadora da indiferença e discriminação neles.fato é.esses fatos acontecem mas ficamos omissos e com medo....

Anônimo disse...

o fato é essas coisas acontecem mas via de regra nós nos omitimos, os mais catedráticos citam até a blíblia com palavras de perdão,tolerncia..compreenção,paz..mas nós é que somos agredidos logo não somos o agressores e dessa forma a defesa e a indignção ativa são perfeitamente válidas e saudávéis. se calamos ai é que esses abusos prósperam.ser da paz e do bem sim mas omitir-se e serdesse crime contra nós todos : a arbitrariedde.BASTA

Anônimo disse...

more ventura mto bom! eu passei por algmas experiencias parecidas em sao paulo nada de mto grave..sempre axei mto importante n ficar calado e reagir verbalmente, pois o tempo de nos sermos passivos jah passou. os agressores olham espantados quando respondemos a altura, pensando ''ueh eles tb sabem responder n sao mais saco de pancada''. por mais confortaveis e indetificados com o pais em q moramos, israel eh o lugar onde nos se sentimos realmente em casa, espero encontrar tda a comunidade judaica brasileira um dia morando aki. abcos, moti sobel

Célio R. Jr. disse...

Parabéns, amigo. Esta é uma prova que o Eterno sempre está conosco nas horas mais difíceis, colocando a sabedoria precisa, afinada e necessária nos nossos lábios, fazendo resplandecer a Verdadeira Essência de Hashem nas nossas vidas. Esta sim, é a verdadeira autênticidade judáica. Com certeza, o Eterno fala por nós em todos os momentos.

Lembre-se que somos uma Unidade eleita que temos a missão diante desta Unidade revelar a verdadeira Unicidade do Eterno para toda a humanidade.

Que a Luz do Sagrado Torah continue brilhando sempre dentro do Amigo e de toda a sua Preciosa Família.

Mais uma vez, Parabéns.......(?;o)

Nina disse...

É isso mesmo, nós temos que matar um leão por dia (tadinho), já sofri discriminação em vários lugares pelo mundo, mas sempre revidei, já fui agredida em país de "primeiro mundo", parabéns pela atitude"".
Shalom chaver!

Rose Santucci disse...

Fico boba lendo suas histórias, não imaginava que esse tipo de discriminação fosse tão próximo!!!Gosto e apoio sua atitude!!